Vantagens e desvantagens de manter o estoque mínimo

O estoque mínimo, que também é chamado de estoque de segurança, estoque de reserva, estoque de proteção, estoque de amortecimento ou buffer stocks vem sendo apontado como uma das melhores maneiras de aumentar o faturamento das empresas de forma mais sustentável.

E em tempos de crises e incertezas, como o que vivemos, essa pode ser a saída mais inteligente para o seu negócio, ou ainda, a sua única saída. Abordaremos neste tópico assuntos sobre as especificações do estoque mínimo, as vantagens e desvantagens e, caso você entenda que esse modelo pode ser aplicado na sua empresa, nós também ensinaremos a entender e calcular seu estoque da maneira mais simples possível.

O que é estoque mínimo?

Antes mesmo de explicar o conceito de estoque mínimo precisamos entender que a quantidade ideal de produtos vai variar de setor para setor empresarial. Por exemplo, as empresas varejistas precisam atender seus clientes no modelo pronta entrega, logo, precisam estocar todos os produtos de sua linha para atender seus clientes imediatamente. Já na indústria, o foco está na produção, logo, o que não pode faltar são matérias primas e insumos que possibilitam a produção em si. Enquanto isso, os e-commerces transitam entre os dois tipos de urgência, ou seja, embora possam vender diretamente para o cliente final, ainda assim, ele conta com um pequeno prazo entre a compra e a entrega.

Uma vez explicadas as peculiaridades de alguns dos mais comuns modelos empresariais, podemos partir para o conceito deste modelo de estoque.

Em poucas palavras, estoque mínimo representa a quantidade mínima de produtos estocados necessários para o pleno funcionamento da empresa caso haja algum pico de vendas.

Isso significa que o objetivo do estoque de segurança é suprir a necessidade excedente de produtos enquanto a sua reposição se completa sem que sejam necessários grandes investimentos. De maneira sucinta, podemos dizer que estoque mínimo significa trabalhar com o estoque mais justo possível, sem excedentes nem a falta de produtos.

Entretanto, a maior dificuldade enfrentada por empresas que optam por esse modelo de estoque está em, justamente, encontrar o número mais próximo do seguro para cada um de seus produtos. Para auxiliar neste processo, existem alguns métodos e cálculos que falaremos mais adiante.

Quais as desvantagens?

Como não viemos aqui para dizer o que é certo e errado no seu negócio, nos vemos na obrigação de mostrar que o estoque mínimo possui desvantagens também.

A primeira desvantagem diz respeito à negociação com fornecedores. Veja, os fornecedores tendem a fazer preços melhores, assim como prazos, para clientes que realizam pedidos grandes e frequentes, com o estoque de segurança, a empresa perde esse poder de barganha.

Outro problema comum é que este modelo exige atenção praticamente diária dos gestores, impedindo, por exemplo, que atuem em outros tipos de tarefas como as estratégicas.

Quais as vantagens?

Conforme dissemos na introdução deste artigo, o estoque mínimo vem se destacando nos mercados e sendo visto como uma das melhores saídas para que as empresas gastem menos e, por consequência, aumentem seus faturamentos. Por isso, neste tópico falaremos exclusivamente das vantagens relacionadas ao estoque de segurança.

Antes de mais nada, se bem executado, o estoque de proteção garante uma grande economia de dinheiro, até porque, além de contar com uma quantidade menor de produtos estocados, não existe a necessidade de grandes investimentos em estrutura física e logística interna, custos que quando existentes, são repassados aos clientes também.

Além disso, por se tratar de uma quantidade bem enxuta, é bem menor a chance de erros humanos e furtos, já que o controle acaba sendo facilitado pela diminuta estrutura.

Além disso, existem algumas vantagens um pouco mais generalistas, veja:

  • Mantém o fluxo de produção e vendas;
  • Permite cumprir prazos, assim como em estoques maiores;
  • Possibilita uma equipe mais enxuta;
  • Evita perder produtos por avarias causadas com o tempo;
  • Evita produtos parados;
  • Possibilita à empresa fundos para investimentos voltados para vendas e produtividade.

 

Como calcular o estoque mínimo?

Dois fatores podem indicar que a gestão do seu estoque está falha: o excesso de produtos ou a falta deles, independente de qual dos dois seja, o fato é que ambos geram prejuízos incontáveis às empresas.

Por isso, conforme falamos, saber calcular o estoque mínimo é tão importante e a parte mais complicada deste processo, por isso, falaremos sobre ele de forma simples e direta.

Antes, porém, alguns fatores precisam ser considerados:

1 – Produto mais vendido

O primeiro passo deste cálculo é reconhecer o seu produto mais vendido, afinal, ele tende a ser o que mais demandará de estoque.

2 – Produto mais rentável

Outro passo importante é reconhecer o produto que, mesmo que não seja o mais vendido, ainda assim, é o que gera maior retorno financeiro. É imprescindível que seus clientes tenham acesso a esse produto com maior agilidade.

3 – Conheça seu cliente

Por fim, mas não menos importante, você deve conhecer seu cliente e os costumes deles.

Falamos bastante sobre os costumes dos clientes em nosso blog pois consideramos este como sendo um fator primordial para o sucesso de qualquer negócio. Esse tipo de conhecimento, atualmente, além de ajudar no planejamento, oferece aos clientes algo que vem sendo preferência para quase todos… eles querem empresas que entendam as suas necessidades e não apenas empurrem produtos à venda.

Por isso, saber quais os favoritos para o seu nicho, entender a urgência de seus clientes em contar com o produto nas mãos, conhecer as formas de pagamento mais utilizadas, entender a demanda (tanto de quantidade quanto de especificações dos produtos) se tornaram alguns dos itens que devem ser avaliados durante o processo de conhecimento dos clientes.

Dito isso, podemos partir para um cálculo matemático, afinal, não existem planejamentos estratégicos sem um pouco de matemática.

Em geral, a conta que se deve fazer é a seguinte:

Estoque mínimo = demanda média diária x tempo de reposição

Conclusão

Embora possamos explicar cálculos, vantagens e desvantagens deste tipo de estoque, fundamental mesmo, é que o empresário ou gestor faça um planejamento minucioso. E mais, é preciso controlar e acompanhar o rumo deste planejamento a fim de garantir que possíveis erros sejam corrigidos antes que tornem uma bola de neve.