Será que tem uma empresa de segurança de TI que me atenda amplamente?

Os gestores de segurança da informação (CISOs) têm um enorme desafio para manterem a proteção dos dados da corporação. Além de cada vez mais serem cobrados por fazer mais com menos, diariamente, precisam vencer a tarefa de driblar os mais sofisticados ciberataques – que se tornam ainda mais complexos diante das constantes vulnerabilidades.

Como se isso não fosse suficiente, muitas vezes, eles se veem de mãos atadas para combater uma ameaça, pois utilizam sistemas de segurança da informação pontuais que não possui integração.

Mas será que existe um fornecedor que seja capaz de oferecer uma solução que lhe atenda amplamente?

A verdade é que para obter uma proteção de alto nível, o ideal é contar com uma plataforma de defesa composta por quatro pilares integrados:

# Prevenção: age de maneira a avaliar vulnerabilidades às ameaças potenciais e, assim, proteger de forma proativa a rede, os servidores, as aplicações e os dispositivos dos usuários .

# Detecção: identifica os possíveis riscos de qualquer tipo de malware, malware avançado, malware não conhecido e o bloqueia imediatamente.

# Análise: verifica e aponta os riscos das ameaças, permitindo uma visibilidade das vulnerabilidades do ambiente, assim poderá determinar o  seu respectivo impacto.

# Resposta: gera assinaturas e atualizações para prevenir futuros ataques das constantes ameaças.

Esse é o cenário perfeito, permitindo integração nos pilares de atuação e elevando o nível de segurança. Porém, infelizmente, na maioria das vezes, as organizações não têm uma plataforma totalmente integrada com controle centralizado nos quatro quadrantes.

Isso significa que as ameaças podem se infiltrar na rede corporativa, causando danos destrutivos para discos rígidos ou perdas extremamente nocivas de dados de clientes ou IPs.

Entenda porque é importante ter uma plataforma de segurança integrada

Imagine a chegada de um e-mail na caixa de entrada do usuário, com um anexo contendo uma ameaça: roubar informações dia zero. Se você conta com essa solução integrada, o ataque pode ser parado na fase de prevenção por qualquer um, ou seja, por meio de uma detecção baseada em assinaturas; monitoramento do comportamento; vulnerabilidade de blindagem; app whitelisting; ou ferramentas de isolamento.

No entanto, se a ameaça de dia zero foi concebida, se torna necessário partir para a fase de detecção. Neste caso, técnicas de sandboxing e análise de rede de 360 graus podem ajudar a detectar o malware avançado. Porém, nesta fase, não é recomendado somente fazer a detecção. Depois de mapeada, ela deve ser analisada e avaliada por meio de sensores de ponto para descobrir se já está espalhada pela organização e, assim, contê-la. Qualquer falha nesse momento, pode deixar o malware no sistema.

Após a análise de uma ameaça sofisticada deve vir a resposta. Se foi detectado um arquivo malicioso através do sandboxing ou por meio de análise de nível de rede, uma assinatura em tempo real deve ser criada e, imediatamente, compartilhada com todos os terminais e componentes de segurança de gateway. Se isso não for feito, a ameaça não será bloqueada automaticamente na próxima vez que for encontrada.

Proteção em camadas

Para ter uma solução que lhe atenda amplamente é preciso buscar um fornecedor que tenha uma plataforma de proteção em camadas, ou seja, que monitore usuários, servidores e rede.

Busque empresas que possuem ferramentas para otimizar diretamente a proteção do data center e das redes complexas, elevando, dessa forma, o nível de segurança integrada e protegendo usuários (EndPoint), dados e aplicações importantes (DataCenter) e garantindo um acesso seguro na rede corporativa.

Outro diferencial é que as soluções podem ser gerenciadas de maneira integrada para que não ocorram lacunas de segurança. Além disso, podem ser implantadas em ambiente físico ou em nuvens híbridas, de acordo com a sua necessidade de negócio.

Ter um software de segurança que otimize os investimentos faz muita diferença na eficiência do resultado.